segunda-feira, 28 de fevereiro de 2011

E NO ZIMBÁBUE, TORTURA

Ativistas zimbabuanos presos na semana passada por assistiram a vídeos do levante nos países do norte da África estariam sendo torturados, segundo o advogado dos detidos.

A reportagem é do The New York Times.

Abaixo, a íntegra.

TORTURE OF ZIMBABWEANS IS REPORTED



JOHANNESBURG – The United Nations torture investigator, Juan E. Méndez, has written the government of Zimbabwe to express concern about allegations that state security agents assaulted the activists recently detained and charged with treason after watching news broadcasts of the democratic uprisings in Egypt and Tunisia, he confirmed Monday.
A lawyer for the detainees told Mr. Méndez that a dozen of the 45 activists had been beaten with broomsticks, metal rods and blunt objects on their bodies and the soles of their feet. They were tortured to force them to testify for the state, and they have since been denied medical care for their injuries, the lawyer said.
“Among the same group, six detainees received a series of lashes, which were administered while they lay down on their stomachs,” wrote the lawyer, Jared Genser, with the American non-profit group, Freedom Now, which seeks the release of political prisoners.
Mr. Méndez, the United Nations Special Rapporteur on Torture, said in an email that he had not yet heard back from the government of Zimbabwe and could make no further comment.
The police arrested the 45 activists, trade unionists and students on Feb. 19 during a meeting in Harare called by Munyaradzi Gwisai, a lecturer at the University of Zimbabwe’s law school, to discuss the implications of the anti-authoritarian uprisings in Egypt and Tunisia for Zimbabwe.
Prosecutors contend that Mr. Gwisai and the others were plotting to overthrow the government led by President Robert Mugabe, 87, who has been in power for 30 years. Lawyers for the accused say they were just having an academic discussion.
Human rights groups and Mr. Mugabe’s political rivals in the Movement for Democratic Change, which is part of a power-sharing government with him and his party, ZANU-PF, say the harsh treatment of the detainees is part of a broader escalation of violence, harassment and trumped up charges against Mr. Mugabe’s critics and political opponents ahead of elections ZANU-PF wants to hold later this year.
Nelson Chamisa, a spokesman for the M.D.C., said that more than 200 of his party’s members have been arrested since the beginning of the year alone, including ten members of Parliament, three of whom remain jailed. Mr. Chamisa also denounced the detention of Mr. Gwisai and the 44 others.
“It’s all prosecution to persecute,” he said. “Only a government afraid of its people and that has a guilty conscience would be in perennial combat with its own citizens.”
In one of the most significant cases, the state indicated on Monday that it would continue with its legal effort to keep an influential M.D.C. member of Parliament, Douglas Mwonzora, and 23 villagers in jail on charges of public violence, though a magistrate granted them bail a week ago.
Mr. Mwonzora, a lawyer who has been detained for two weeks, is co-chairman of the parliamentary committee overseeing the development of a new constitution, which is supposed to help ensure that the next round of elections are free and fair. The last presidential election, held in 2008, was discredited after widespread intimidation, torture and killings of Mr. Mugabe’s political opponents.
The previous United Nations torture investigator, Manfred Nowak, went to Zimbabwe in October 2009 to look into what he then called “credible and serious allegations of human rights violations,” some of them dating to the 2008 elections. But he was detained and ejected from the country. Like Mr. Méndez, Mr. Nowak was undertaking his investigation amid surging arrests of members of pro-democracy groups.
Para ler no sítio do jornal, clique aqui.

EUA AVALIAM OPÇÕES MILITARES NA LÍBIA



Segundo o jornal The New York Times, o governo americano começou a reposicionar navios de guerra na região para dar apoio a possíveis ações militares contra a Líbia.

A Marinha americana tem aeronaves, embarcações e veículos anfíbios estacionados no Mar Vermelho.

Entre as opções militares, os EUA também consideram impor uma "zona de voo livre" sobre a Líbia para impedir ataques aéreos a civis.

Abaixo, a íntegra da reportagem.

U.S. READIES MILITAY OPTIONS ON LIBYA

WASHINGTON — The Defense Department has begun repositioning Navy warships to support possible action against Libya, as it accelerates planning on a range of options if asked by President Obama to intervene in the conflict there, officials said.
Multimedia
The Navy currently has an aircraft carrier strike group and an amphibious landing vessel, withMarines and helicopters, in the Red Sea.
Military planners are working on a wide range of options, said to include everything from imposing a “no-fly zone” over Libya to halt warplanes from attacking civilians to evacuation of wounded and innocents at risk to a more benign show of force off Libya’s shores, officials said.
While any American military action would be described as humanitarian assistance, it no doubt would indirectly apply even more pressure to a regime already fighting rebels from its own military who are supporting a popular revolt against the authoritarian rule.
Pentagon officials said the United States certainly would seek an international consensus for action -- most likely from the United Nations but also within NATO. And there is no appetite for assigning American ground troops to any mission.But the scope and pacing of planning underway is a substantial increase from just a week ago, when officials in Washington said that the most likely military action would come from regional states, such as Italy or France.
Officials said that the Obama administration had realized that only the American military could lead across a full range of options to halt the violence. And, since last week, the number of casualties has risen into the thousands, increasing the need for review of American options across the board from military to diplomatic to economic.
“This has been a fast-moving scenario, with the violence really accelerating over recent days,” one official said.
The United States was concerned about speaking publicly about military options while a large number of Americans remained in Libya.Most have now left.
The United States has carried out a range of interventions short of invasion over past decades, from the “no-fly zones” enforced over northern and southern Iraq to the air campaign over Kosovo to relief missions in Africa. The American military has a large force of warships and combat and cargo aircraft available across Europe.

Para ler no sítio do jornal, clique aqui.

O DIA EM QUE ME SENTEI NA CADEIRA DO CORONEL KADAFI

Foi em meados de 2009.
Estive na Líbia para cobrir a participação do presidente Lula na cúpula da União Africana.
O encontro foi realizado em Sirte, cidade natal de Kadafi a 500km de Trípoli.
Por medida de segurança, a rodovia que levava a Sirte estava bloqueada.
A única forma de acesso era por avião.
Os jornalistas brasileiros foram levados num dos aviões da comitiva brasileira.
Depois do encontro, fomos levados para uma tenda montada no aeroporto de Sirte.
O presidente Lula passaria por ali, daria uma rápida entrevista e embarcaria para o Brasil.
Quando chegamos ao local, a segurança líbia nos encaminhou para um dos cantos da tenda.
Tenda grande, com dezenas de cadeiras, aparelhos de TV de tela plana, mesas com água, sucos e frutas secas.
Depois de alguns minutos, um segurança nos disse que não poderíamos ficar naquele lado porque era um espaço destinado às autoridades.
Mudamos de lado.
Mais uns minutos e outro segurança diz que tampouco poderíamos ficar ali porque era um lugar de autoridades.
Lá fomos os jornalistas para outro ponto da tenda.
Desta vez estávamos, aparentemente, no lugar certo.
Sentei-me numa cadeira para esperar.
Aproveitei para me servir de algumas tâmaras e outras frutas secas que estavam na mesinha ao lado da cadeira.
Alguns minutos depois, um segurança líbio se aproxima de mim e diz, num tom educado:
SEGURANÇA LÍBIO - Excuse, me sir. Could you please move to another place? This is the leader’s chair.

quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

MOVIMENTO PARA DERRUBAR O PRESIDENTE DE ANGOLA, JOSÉ EDUARDO DOS SANTOS

Reportagem publicada no Terra Magazine.


Movimento marca ato para tentar derrubar presidente de Angola

Claudio Leal
As rebeliões populares no Oriente Médio estimularam a articulação de um movimento, em Angola, para derrubar o presidente José Eduardo dos Santos, há 32 anos no poder. Sucessor de Agostinho Neto, um dos ícones da luta pela Independência, Santos assumiu em 1979 a presidência do País e do MPLA (Movimento Popular de Libertação de Angola). Em 1992, passou por um tumultuado pleito, o qual reacendeu a guerra civil. Com a nova Constituição, a próxima eleição presidencial está prevista para 2012.
O manifesto "A Nova Revolução do Povo Angolano" se espalha nas redes sociais, repercute em jornais online dos países de língua portuguesa e foi amplificado por uma nota da Agência France-Presse. "Em toda Angola, vamos marchar com cartazes exigindo a saída do Ze Du, seus ministros e companheiros corruptos", anunciam. O ato central está marcado para o Largo da Independência, em Luanda, no dia 7 de março.
A combustão pode vingar, mas existe no povo angolano um sentimento de cansaço, depois de uma longa e devastadora guerra civil, encerrada somente em 2002. Terra Magazine procurou ouvir os líderes do movimento e trocou e-mails com "Agostinho Jonas Roberto dos Santos", que se apresenta como principal organizador dos protestos. Ele usa um pseudônimo que agrega os nomes de personagens da história contemporânea de Angola: Agostinho Neto, Jonas Savimbi, Holden Roberto e o próprio José Eduardo dos Santos. Preferiu não se identificar e afirma que não há outros manifestantes por trás do nome. "Eles vão matar alguns de nós, mas no fim não vão conseguir matar-nos todos", diz.
- Entendemos que a mídia e algumas pessoas dentre o povo angolano estão preocupados com a minha cara e eu garanto-lhe que darei a cara no momento propício porque ainda estamos na fase de mobilização das massas.
Assinada por Sergio Ngueve dos Santos, uma carta foi dirigida ao secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e ao presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, com o pedido de "ajuda e observação". Há divisão entre os opositores angolanos. Em entrevista a uma rádio, o jornalista e ativista Rafael Marques, que mantém um site anti-corrupção, criticou o manifesto e disse que teme "um banho de sangue", pois "os angolanos são profundos praticantes e conhecedores da violência". "É preciso estruturar a sociedade no sentido de se preparar para o pós-Eduardo dos Santos", defendeu Marques.
O líder anônimo, que não se assume como Sergio Ngueve dos Santos, garante que o movimento é composto por membros de todos os partidos políticos do País, mas não possui um caráter político-partidário. No centro das exigências, a realização de eleições periódicas e o fim da era "Zé Du".
- Estamos cansados desta ditadura de quase 32 anos e queremos ser liderados por vários líderes em cada 5 ou 10 anos, o que acreditamos será uma verdadeira democracia, visto que o país será dirigido por diferentes pessoas com visões diferentes para o bem do povo angolano.
O MPLA já se pronunciou contra o movimento, o que sugere a expectativa de uma dura repressão aos anunciados protestos em Luanda e no resto de Angola. Criticado por causa de sua longevidade no poder, além dos casos de corrupção no governo, Santos tem o controle das Forças Armadas e conta com uma força simbólica sobre o País. Nesta entrevista, o líder reconhece o desejo de paz do povo angolano. Entretanto, argumenta que os jovens possuem outra mentalidade:
- Um jovem angolano disse, e com razão, que o povo de Angola já não é aquele povo de 20 anos atrás. Atualmente conhecemos a besta que vamos derrubar e não somos intimidados pelas ameaças mesquinhas do corrupto Dino Matross (secretário-geral do MPLA).
Confira a entrevista.
Terra Magazine - Agostinho Jonas Roberto dos Santos é um nome composto de lideranças políticas angolanas: Agostinho Neto, Jonas Savimbi, Holden Roberto e Eduardo dos Santos. Quantas lideranças estão por trás do atual movimento? Por que a preferência pelo anonimato no manifesto "Nova Revolução Angolana"? 
"Agostinho dos Santos" - O pseudônimo Agostinho Jonas Roberto dos Santos pertence a um só indivíduo que é o lider deste movimento. O movimento foi formado por jovens angolanos. A escolha do nome tem caráter simbólico, baseando-se na sequência de vida e morte dos protagonistas, sem querendo desejar a morte de José Eduardo dos Santos. O MRPLA não pertence a nenhum partido político angolano (lê 'about' em www.revolucaoangolana.webs.com), mas representamos o conjunto do povo angolano pela nossa diversidade provincial, tribal, racial, cultural, e muito mais.
Entendemos que a mídia e algumas pessoas dentre o povo angolano estão preocupados com a minha cara e eu garanto-lhe que darei a cara no momento propício porque ainda estamos na fase de mobilização das massas e seria precoce e perigoso mostrar a cara.
Vocês acham que uma movimento pela substituição do presidente José Eduardo dos Santos, que está há 32 anos no poder, tem as mesmas chances de prosperar que os protestos no Egito, na Tunísia e na Líbia? 
Acreditamos na mudança, principalmente porque estamos cansados das injustiças e da falta de interesse dos nossos governantes que para além de perpectuarem a exploração ao povo, perderam o sentido de criatividade e inovação. Estamos cansados desta ditadura de quase 32 anos e queremos ser liderados por vários líderes em cada 5 ou 10 anos, o que acreditamos será uma verdadeira democracia, visto que o país será dirigido por diferentes pessoas com visões diferentes para o bem do povo angolano.
Não existe um cansaço do povo angolano com confrontos políticos, depois de uma longa guerra civil? O desejo de paz não deve enfraquecer o movimento? 
De princípio também pensamos assim, mas agora temos uma percepção diferente daquilo que é o nosso povo. Um jovem angolano disse, e com razão, que o povo de Angola já não é aquele povo de 20 anos atrás. Atualmente conhecemos a besta que vamos derrubar e não somos intimidados pelas ameaças mesquinhas do corrupto Dino Matross.
O manifesto do movimento tem sido espalhado, principalmente, pela internet. Mas a penetração da internet não é grande em Angola. Como tem sido feita a mobilização para o ato de 7 de março? 
A mobilização em Angola está a ser feita em forma de passe-a-palavra (
NR: boca a boca) e debates nos bairros, cidades em todo o pais. Estamos satisfeitos com a campanha que fizemos até agora porque não só no país mas os angolanos na diáspora (Alemanha, Brasil, EUA, Canadá, França, a associação da mulher angolana no Reino Unido (Omal), estão todos ao nosso lado. Os jovens no país são a nossa maior força nesta causa.
Também tenho de realçar que a Constituição que o próprio governo elaborou garante-nos o direito de manifestação em lugares públicos SEM NENHUM AVISO, eu cito "reuniões e manifestações em lugares públicos carecem de prévia comunicação à autoridade competente".
Leia mais: CONSTITUIÇÃO DA REPUBLICA DE ANGOLA Artigo 47.º (Liberdade de reunião e de manifestação) 1. É garantida a todos os cidadãos, a liberdade de reunião e de manifestação pacífica e sem armas, sem necessidade de qualquer autorização e nos termos da lei. 2. As reuniões e manifestações em lugares públicos CARECEM de prévia comunicação à autoridade competente, nos termos e para os efeitos estabelecidos por lei.
Como o movimento avalia o governo de José Eduardo dos Santos? 
Este governo gaba-se em ser sócio-democrático mas os seus atos, que foram uma experiência dolorosa para o povo angolano, define a verdadeira face do regime ditador de José Eduardo dos Santos. É um governo que não trouxe nada de melhor, repito, nada de melhor ao povo angolano.
Lideranças do MPLA já defenderam medidas duras contra a manifestação. Vocês temem uma repressão violenta do governo? 
Uma repressão violenta é esperada pelo povo angolano, mas a nossa voz falará mais alto e os nossos atos irão remover o regime ditador de José Eduardo dos Santos. Eles vão matar alguns de nós, mas no fim não vão conseguir matar-nos todos. Viva o povo lutador de Angola.
Vocês integram algum agrupamento político-partidário? 
Não nos integramos a nenhum agrupamento político-partidário, mas o nosso grupo está composto por angolanos de todos os partidos políticos angolanos. Este grupo não é político, mas sim um movimento de todo o povo de Angola que está a lutar na defesa genuína dos interesses do povo angolano. O movimento do povo apela a todos os militantes e partidos políticos de Angola, incluindo o MPLA, a se juntarem a esta revolução para o bem comum de todos os Angolanos.
Também apelamos aos nossos irmãos da Polícia Nacional e as Forças Armadas Angolanas a se juntarem ao povo porque acreditamos que eles também são vitimas deste regime ditador.
Para ler no sítio da Terra Magazine, clique aqui.

WIKILEAKS VAZA DETALHES DA FAMÍLIA KADAFI

Reportagem publicada no The New York Times.

WIKILEAKS CABLES DETAILQADDAFI FAMILY'S EXPLOITS



WASHINGTON — After New Year’s Day 2009, Western media reported that Seif al-Islam el-Qaddafi, a son of the Libyan leader Col.Muammar el-Qaddafi, had paid Mariah Carey $1 million to sing just four songs at a bash on the Caribbean island of St. Barts.
Alessandro Garofalo/Reuters
Seif al-Islam, son of Libyan leader Col. Muammar el-Qaddafi, arrives to watch George Bizet’s “Carmen” at the La Scala opera house in Milan on Dec. 7, 2009.

State’s Secrets

Articles in this series examine American diplomatic cables as a window on relations with the rest of the world in an age of war and terrorism.

Related Documents

In the newspaper he controlled, Seif indignantly denied the report — the big spender, he said, was his brother, Muatassim, Libya’s national security adviser, according to an American diplomatic cable from the capital, Tripoli.
It was Muatassim, too, the cable said, who had demanded $1.2 billion in 2008 from the chairman of Libya’s national oil corporation, reportedly to establish his own militia. That would let him keep up with yet another brother, Khamis, commander of a special-forces group that “effectively serves as a regime protection unit.”
As the Qaddafi clan conducts a bloody struggle to hold onto power in Libya, cables obtained by WikiLeaks offer a vivid account of the lavish spending, rampant nepotism and bitter rivalries that have defined what a 2006 cable called “Qadhafi Incorporated,” using the State Department’s preference from the multiple spellings for Libya’s troubled first family.
The glimpses of the clan’s antics in recent years that have reached Libyans despite Col. Qaddafi’s tight control of the media have added to the public anger now boiling over. And the tensions between siblings could emerge as a factor in the chaos in the oil-rich African country.
Though the Qaddafi children are described as jockeying for position as their father ages — three sons fought to profit from a new Coca-Cola franchise — they have been well taken care of, cables say. “All of the Qaddafi children and favorites are supposed to have income streams from the National Oil Company and oil service subsidiaries,” one cable from 2006 says.
A year ago, a cable reported that proliferating scandals had sent the clan into a “tailspin” and “provided local observers with enough dirt for a Libyan soap opera.” Muatassim had repeated his St. Barts New Year’s fest, this time hiring the pop singers Beyoncé and Usher. An unnamed “local political observer” in Tripoli told American diplomats that Muatassim’s “carousing and extravagance angered some locals, who viewed his activities as impious and embarrassing to the nation.”
Another brother, Hannibal, meanwhile, had fled London after being accused of physically abusing his wife, Aline, and after the intervention of a Qaddafi daughter, Ayesha, who traveled to London despite being “many months pregnant,” the cable reported. Ayesha, along with Col. Qaddafi’s second wife, Safiya, the mother of six of his eight children, “advised Aline to report to the police that she had been hurt in an ‘accident,’ and not to mention anything about abuse,” the cable said.
Amid his siblings’ shenanigans, Seif, the president’s second-eldest son, had been “opportunely disengaged from local affairs,” spending the holidays hunting in New Zealand. His philanthropy, the Qaddafi International Charity and Development Foundation, had sent hundreds of tons of aid to earthquake-ravaged Haiti, and he was seen as a reasonable prospect to succeed his father.
The same 2010 cable said young Libyan contacts had reported that Seif al-Islam is the ‘hope’ of ‘Libya al-Ghad’ (Libya of tomorrow), with men in their twenties saying that they aspire to be like Seif and think he is the right person to run the country. They describe him as educated, cultured, and someone who wants a better future for Libya,” by contrast with his brothers, the cable said.
That was then. Today the young protesters on the streets are demanding the ouster of the entire family, and it was Seif el-Qaddafi who declared on television at 1 a.m. Monday that Libya faced civil war and “rivers of blood” if the people did not rally around his father.
As for the 68-year-old Colonel Qaddafi, the cables provide an arresting portrait, describing him as a hypochondriac who fears flying over water and often fasts on Mondays and Thursdays. The cables said he was an avid fan of horse racing and flamenco dancing who once added “King of Culture” to the long list of titles he had awarded himself. The memos also said he was accompanied everywhere by a “voluptuous blonde,” the senior member of his posse of Ukrainian nurses.
After Colonel Qaddafi abandoned his pursuit of weapons of mass destruction in 2003, many American officials praised his cooperation. Visiting with a congressional delegation in 2009, Senator Joseph I. Lieberman, Independent of Connecticut told the leader and his party-loving national security adviser, Muatassim, that Libya was “an important ally in the war on terrorism, noting that common enemies sometimes make better friends.”
Before Condoleezza Rice visited Libya in 2008 — the first secretary of state to do so since 1953 — the embassy in Tripoli sought to accentuate the positive. True, Colonel Qaddafi was “notoriously mercurial” and “avoids making eye contact,” the cable warned Ms. Rice, and “there may be long, uncomfortable periods of silence.” But he was “a voracious consumer of news,” the cable added, who had such distinctive ideas as resolving the Israeli-Palestinian conflict with a single new state called “Isratine.”
“A self-styled intellectual and philosopher,” the cable told Ms. Rice, “he has been eagerly anticipating for several years the opportunity to share with you his views on global affairs.”

Andrew W. Lehren contributed reporting from New York.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2011

ALJAZEERA EM PORTUGUÊS NO TWITTER

O canal AlJazeera lançou hoje o twitter em português.

Para seguir, basta clicar aqui.

NO ZIMBÁBUE, PRISÕES POR ASSISTIR A REPORTAGENS SOBRE LEVANTE NO NORTE DA ÁFRICA

No Zimbábue, estudantes, sindicalistas e ativistas políticos foram presos acusados de suspeita de planejar a derrubada do presidente Robert Mugabe, no poder desde 1980.

Veja na reportagem do The New York Times.



ARRESTS IN ZIMBABWE

JOHANNESBURG — Dozens of students, trade unionists and political activists who gathered to watch Al Jazeera and BBC news reports on the uprisings that brought down autocrats in Tunisia and Egypt have been arrested on suspicion of plotting to oust PresidentRobert Mugabe of Zimbabwe.

Related

James Sabau, a spokesman for the police force, which is part of the security services controlled by Mr. Mugabe’s party, was quoted in Monday’s state-controlled newspaper as saying that the 46 people in custody were accused of participating in an illegal political meeting where they watched videos “as a way of motivating them to subvert a constitutionally elected government.”
The evidence seized by the police included a video projector, two DVD discs and a laptop.
Lawyers for the men and women in custody said they had not yet been formally charged but had been advised that they might be accused of “attempting to overthrow the government by unconstitutional means,” a crime punishable by up to 20 years in prison.
Mr. Mugabe, who turned 87 on Monday, and his party ruled Zimbabwe single-handedly from 1980 until 2009, when regional leaders pressured him into forming a power-sharing government with his longtime political rival, Morgan Tsvangirai, after a discredited 2008 election. Mr. Tsvangirai withdrew from a June runoff that year to protest state-sponsored beatings of thousands of his supporters. An estimated 350 people died in the violence.
“The illegal meeting’s agenda, Inspector Sabau said, was ‘Revolt in Egypt and Tunisia: What lessons can be learnt by Zimbabwe and Africa?’ ” the state-controlled Herald reported.
Inspector Sabau found the topic incriminating, but many Zimbabweans have been asking themselves that very question as democratic revolutions have swept Arab nations. Like former President Hosni Mubarak of Egypt, Mr. Mugabe is an octogenarian autocrat in power for three decades. And also like Mr. Mubarak, he has used the state security services to harass, jail and torture his opponents.
But there are differences as well. The United Nations recently found Zimbabweans to be among the world’s poorest people, often making mere survival an all-consuming task. They also have less access to the Internet than Egyptians, depriving them of one of the tools that helped organize the mass protests in Cairo.
And while the army in Egypt did not side with Mr. Mubarak when his people rose up against him, most analysts assume that the leadership of Zimbabwe’s military would try to crush any such movement — though such an effort would also severely test the loyalty of impoverished soldiers to their military commanders.
Nonetheless, some of Mr. Mugabe’s most influential opponents have also criticized Mr. Tsvangirai’s leadership, arguing that the people power in north Africa offers an example for Zimbabweans to resist Mr. Mugabe’s rule.
“Indeed, the single most important lesson from Tunisia and Egypt is that we as Zimbabweans are our own liberators,” Trevor Ncube, owner of three independent newspapers in Zimbabwe and The Mail & Guardian in South Africa, wrote this week in The Mail & Guardian. Mr. Ncube added later, “The world will only help us when we stand up and fight for our freedom and reclaim our country from Mugabe and the arrogant clique around him.”
Munyaradzi Gwisai, a lecturer at the University of Zimbabwe’s law school, was an organizer of the gathering, which took place on Saturday and allowed activists who had no Internet access or cable television to see images from the uprisings in Tunisia and Egypt.
Alec Muchadehama, a human rights lawyer who met Mr. Gwisai at the Harare Central police station, said detainees told him that Mr. Gwisai was one of seven people in custody who were beaten with truncheons at the police station. Mr. Muchadehama, who often represents arrested journalists and activists, said Mr. Gwisai and others at the meeting were not plotting the government’s overthrow, but were engaged in “an academic debate about what was happening in Tunisia and Egypt.”
A socialist and iconoclast whose wife said he was expelled from Mr. Tsvangirai’s Movement for Democratic Change in 2002 for supporting an aggressive land reform program at a time when Mr. Mugabe’s party was encouraging violent seizures of white-owned commercial farms, Mr. Gwisai, like many of his countrymen, has been watching the unrest in Arab nations.
His wife, Shantha Bloemen, who works for the United Nations in Johannesburg, said: “Obviously, all the happenings in Egypt and Tunisia have been taking center stage. The meeting was an opportunity to discuss what’s happened, especially for people who don’t have access to the Internet or cable TV, both to express solidarity and to discuss the implications for Zimbabwe.”
As Mr. Mugabe’s party pushes for elections this year in a drive to reclaim sole power, human rights groups have warned that the police and youth militia aligned with Mr. Mugabe’s party have intensified harassment, beatings and arrests of Mr. Mugabe’s political opponents. The revolts in North Africa appear to have made Mr. Mugabe’s inner circle nervous — and the arrests were a sharp warning to those emboldened by them, they said.
“This is a message that ‘If you attempt anything, we’re going to arrest you, assault you, incarcerate you, lay false charges against you, deny you bail, and occupy you with false trials,’ ” Mr. Muchadehama said. “That’s the message — ‘Don’t attempt this, it can’t be done here.’ ”
Para ler no sítio do jornal, clique aqui.

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

NA LÍBIA COM MISTER SADAM, OLHOS E OUVIDOS DO CORONEL MUAMAR KADAFI

Estive duas vezes na Líbia.
As duas em 2009 e as duas a trabalho, ainda como correspondente da TV Brasil na África.
Na primeira visita, em janeiro, acompanhei uma missão de empresários brasileiros, liderada pelo então ministro do Desenvolvimento, Miguel Jorge, ao norte da África.
Em 10 dias a missão esteve na Líbia, Tunísia, Argélia e no Marrocos.
A segunda visita à Líbia foi em junho de 2009, para cobrir visita do presidente Lula ao país.

Lula era o convidado de honra da cúpula da União Africana, presidida na época pela Líbia e seu líder máximo Muamar Kadafi.
Nos quatro países visitados, só foi possível filmar na rua com autorização dos governos.
A atuação dos diplomatas brasileiros nas embaixadas nos quatro países foi essencial para conseguirmos as autorizações.
Na Líbia e na Tunísia, eu e o cinegrafista só podíamos filmar na rua se houvesse um funcionário do Ministério da Informação conosco.
Contarei primeiro sobre a segunda viagem.


Na Líbia, onde passamos mais tempo, os funcionários iam no nosso carro para todos os lugares.
Na rua, eles eram abordados o tempo todo por policiais que queriam saber o que estávamos fazendo e precisavam dar explicações e exibir autorizações.
Na segunda visita ao país, o funcionário do Ministério da Informação encarregado de nos vigiar se apresentou como Mister Sadam.
Simpático durante boa parte do tempo, Mister Sadam nos guiou pelas principais ruas de Trípoli e explicava como a Líbia era um país aberto e que permitia o trabalho da imprensa.
Pouco antes da viagem eu havia lido que o governo havia autorizado recentemente a venda de jornais e revistas americanas e europeias.
Mister Sadam disse que frequentemente acompanhava jornalistas estrangeiros filmando no país, como a CNN e a BBC.
No fim do primeiro dia de filmagens, Mister Sadam nos deixou na Praça Verde, a principal de Trípoli.
Eu perguntei se podíamos continuar filmando.
Ele disse que sim e foi embora.
Um líbio que passeava com as duas filhas pequenas se aproximou e puxou conversa comigo em inglês.
Queria saber de onde éramos, o que fazíamos ali.
Aproveitei para fazer uma curta entrevista com ele, que tinha 40 anos e nasceu no mesmo ano em que Kadafi havia assumido o poder.
Kadafi, o líder, era, portanto, o único líder que conhecera.
Depois da entrevista, continuamos na praça para fazer mais algumas imagens.
Minutos depois, um carro descaracterizado com quatro homens à paisana parou ao nosso lado.
Um deles me fez perguntas em árabe e, com as mãos, fazia um gesto indagando onde estavam meus documentos.
Como não nos entendemos, outro homem do grupo me perguntou em inglês o que fazíamos ali e onde estava nossa autorizacão para filmar.
Eu expliquei que estava na Líbia para cobrir a visita do presidente do Brasil, que chegaria no dia seguinte, e que estávamos autorizados a trabalhar.
Ele insistiu nos papeis.
Eu disse que não tinha, mas que havíamos passado o dia com Mister Sadam e que poderíamos ligar para ele.
Quando peguei o telefone e fiz menção de ligar, o sujeito disse que estava tudo bem e os quatro foram embora.
Achei que era hora de voltar para o hotel e enviar o material para o Brasil.
No dia seguinte, Mister Sadam estava novamente conosco.
O presidente Lula chegaria no fim da tarde e aproveitamos a manhã para fazer mais imagens da cidade.
A todo momento Mister Sadam tinha que explicar a policiais o que estávamos fazendo.
Pouco antes da hora do almoço, Mister Sadam recebeu um telefonema.
Quando desligou, disse que, como já haviamos filmado o suficiente, ele precisaria do carro que eu havia alugado para ir ao aeroporto porque outros jornalistas estavam chegando.
Travamos o seguinte diálogo:
EU - Mas ainda precisamos filmar mais coisas.
MISTER SADAM - Mas vocês estão filmando desde ontem. Já estão com muita coisa.
EU - Não, precisamos de mais.
MISTER SADAM - Mas eu preciso do carro para ir ao aeroporto.
EU - Mas eu também preciso do carro.
MISTER SADAM - Mas vocês não vão poder filmar sem mim. Se a polícia chegar e vocês não tiverem a autorização, serão presos.
EU - OK.
MISTER SADAM (saindo irritado do carro) - OK.
Mister Sadam bateu a porta do carro e pegou um táxi.
O motorista que eu havia contratado me explicou a história: Mister Sadam pediu para ser levado ao aeroporto. O motorista disse que estava trabalhando para mim e que só poderia levá-lo ao aeroporto se eu autorizasse. E explicou que o carro de Mister Sadam estava estacionado a poucas quadras de onde estávamos, mas ele queria ir ao aeroporto no nosso carro.
No dia seguinte, os jornalistas foram levados num dos aviões da comitiva do governo brasileiro de Trípoli para Sirte, cidade natal de kadafi e onde a cúpula da União Africana se realizava.
Às cinco da manhã todos nos encontramos no hotel onde estava a comitiva para pegar o ônibus que nos levaria à base aérea.
Eis que, às cinco da manhã, ao chegar ao hotel, encontro Mister Sadam.
Ele embarcou no ônibus alugado pelo governo brasileiro e nos acompanhou até a base aérea.
O avião estava praticamente vazio porque a comitiva do presidente já estava em Sirte e só voltaria para Trípoli no final da reunião.
Mister Sadam embarcou conosco no avião presidencial e ficou grudado no grupo todo o tempo em que estivemos em Sirte.
Na volta para Trípoli, o avião estava lotado.


Já na pista do aeroporto, a caminho do avião, ouço Mister Sadam me chamando.
Ele queria que eu confirmasse a identidade dele para o militar da Aeronáutica que fazia o controle dos passageiros.
Expliquei que Mister Sadam era funcionário do Ministério da Informação do governo, vigiava o trabalho da imprensa no país e havia chegado de manhã no avião da comitiva.
Segundo o militar me explicou, o nome de Mister Sadam não estava na lista, mas deixou que ele subisse.
Depois de todos embarcados, outros militares do Brasil questionaram Mister Sadam sobre a presença dele no avião.
Um líbio que era funcionário da Petrobras no país e integrava a comitiva serviu de intérprete entre Mister Sadam e o comandante do voo.
Mister Sadam mostrou o crachá do governo líbio e lá ficou.
Minutos depois, outro militar brasileiro vem da cabine do avião e passa um telefone celular para Mister Sadam.
Mister Sadam diz uma ou duas frases em árabe e se cala.
Levanta da poltrona e, a caminho da saída, começa a gritar em árabe. Bate a mão  na cabeça, pergunta pela repórter da TV Globo e por mim.
Quando nos identificamos, ele bate de novo na cabeça e fala mais algumas frases.
Aponta o dedo para o comandante do voo e para o embaixador do Brasil.
Quando sai do avião, o comandante pede que o funcionário da Petrobras traduza o que ele disse.
Resumidamente, Mister Sadam disse que estava acompanhando os jornalistas, que levou muito sol na cabeça (por isso ele bateu a mão na cabeça, apesar de eu ainda achar que ele nos lançava alguma maldição dizendo que ficaríamos carecas como ele), que o embaixador e o comandante sabiam que ele estava no voo e que se este grupo voltasse à Líbia de novo ele não ajudaria.
Depois da explicacão, o comandante do voo disse que a ligação que Mister Sadam havia recebido era do protocolo do governo da Líbia. 
As autoridades brasileiras consultaram o governo líbio sobre a presença de Mister Sadam na aeronave e receberam a informação de que ele não estava autorizado a estar ali.
O voo segue e Mister Sadam fica em Sirte, a 500km de Trípoli.
Agora, volto à primeira viagem.
Na Tunísia, tivemos que ir ao Ministério da Informação antes de filmar na rua.
Um funcionário nos acompanhou durante todo o tempo.
À medida que caminhávamos pelas ruas centrais da cidade, ele nos apontava os prédios que não poderiam ser filmados.
Um policial se aproximou para perguntar o que fazíamos e nosso guia mostrou a documentação que nos autorizava a filmar.
Nosso trabalho em Túnis foi curto, pois ficamos apenas um dia e meio na cidade.
Terminamos a filmagem e na manhã seguinte já embarcamos para a Argélia.
Em Argel, a presença policial nas ruas era ostensiva.
Barreiras policiais em vários pontos da cidade.
No banco de trás, o cinegrafista baixou o vidro para filmar imagens da cidade.
Poucos minutos depois nosso táxi foi fechado por um carro da polícia.
Quatro policiais com metralhadoras desceram e vieram em nossa direção.
Mostrei o documento que nos autorizava a filmar e nos deixaram seguir.
No Marrocos, passamos dois dias em Casablanca.
No segundo e último dia da visita, fomos fazer imagens externas.
Quando voltávamos para o carro, fomos abordados por um policial a paisana.
Ele queria ver nossa autorização de filmagem.
Quando mostrei o papel, ele disse que faltava um carimbo da prefeitura.
Como era sábado e não conseguiríamos o carimbo, teríamos que interromper a filmagem.
E como o papel que eu havia mostrado era apenas uma cópia enviada por fax, ele confiscou o documento e foi embora, alertando que não poderíamos mais filmar.


Mais relatos das duas viagens podem ser vistos aqui, aqui, aqui, aqui, aqui, aqui e aqui.